Início » Blog » POR FAVOR, PARE, AGORA! SENHOR JUIZ, PARE, AGORA!

POR FAVOR, PARE, AGORA! SENHOR JUIZ, PARE, AGORA!

By Antonio Nóbrega | 16 setembro 2015 | Sem Comentários


left-hand-silhouette-woman-1429180 (1)

Não sei se recordam-se desse frase aí de cima. É o refrão daquela canção interpretada pela Wanderléa à época da jovem guarda. Lembro-me que a cantava com as minhas irmãs num conjunto musical caseiro que mantínhamos. Foi esse refrão que me veio imediatamente à lembrança domingo pela manhã quando li na Folha de São Paulo matéria sobre o salário dos desembargadores e juízes. Fiquei com o juízo meio derrubado ao tomar conhecimento da quantidade de “auxílios”, sete ao todo, que recebem juízes e desembargadores lotados no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, segundo o jornal, o mais rico do país. Rico, realmente, porque o tribunal tem um Fundo Especial cuja arrecadação anual é de cerca de um bilhão de reais, dinheiro que deveria ser destinado a melhorias do próprio poder Judiciário. Pois bem, os R$ 4.377,00 de auxílio-moradia, mais R$ 1.825,00 de auxílio-alimentação, mais R$ 953,47 e R$ 953,47 de auxílio-creche e auxílio-educação, para o caso de terem filhos em correspondentes fases etárias, mais proventos extras por acumulação de cargos na ordem de R$ 15.235,00 e mais auxílio-funeral de R$1.800,65… irão somar-se ao seu salário base de R$ 30.000,00. É um pouquinho bão, né?

Aproveitei o ensejo da matéria e fui me informar adicionalmente. Tomei conhecimento (O DIA Rio, 03/06/2015) que uma juíza diretora do fórum recebeu em março a quantia de R$ 129.000,65, que um juiz da vice-presidência embolsou em fevereiro R$ 163.444,00 e que um desembargador, em janeiro, engordurou sua conta bancária com mais R$ 241.823,34…

É claro que se formos levar uma conversa, como se diz por aí, numa boa, com os senhores juízes e desembargadores, tudo isso será defensável, afinal eles estão longe de ganhar os supersalários embolsados mensalmente por um mar de gente por esse mundo aí afora, um mundo que, em vão, tantos de nós tentamos nos acomodar. Afinal nos ensinam que “o mundo é assim”!

Porque, ao que parece, toda essa gastança está dentro da lei, do direito! Dentro do que a Constituição permite, referenda! Ao invés de um ideal de justiça criamos foi uma fantasmagoria de justiça. É isso mesmo. Será que a legalidade jurídica legitima uma disparidade dessas? Uma tamanha disparidade, uma desconformidade com a realidade social do país. E aí, como mudar esse estado de coisas? Se a instituição que legisla o país abona esse tipo de conduta, como mudar esse sistema, um sistema-mundo, diga-se afinal, cujo único ou maior objetivo parece ser o de amealhar, lucrar, estocar! Quem não desconfia que posturas como essas só fazem encolher o nosso, já de si tão precário, espírito de compartilhamento, de justiça social? E do jeito que a carruagem anda, estamos já achando que comportamentos dessa natureza são absolutamente normais, como se fizessem parte do tabuleiro “natural” do jogo do mundo.

Ao final, a impressão que tenho é que a nossa animalidade – sem querer ferir os animais – ainda se sobrepõe demasiado à nossa humanidade. Não são tão relevantes os nossos progressos ainda. E aí? Conseguiremos nos reconfigurar, por dentro, antes que o estrago seja inevitável, e talvez até irremediável? Que energia teremos de realocar em nós para, transformando-nos, mudar a paisagem espiritual do mundo? Como quebrar a cadeia dos automatismos que nos conduz sempre em direção ao mesmo assíduo e confortável lugar? Não haverá outras instâncias confortáveis dentro de nós que, por não as frequentarmos, sentimos um enorme temor em experienciá-las? Outros estados mentais? Não haverá outros “chips” mentais dentro de nós? A ciência tão ciosa do “desenvolvimento humano”, porque não busca formas de nos ajudar a reeducar os nossos córtices cerebrais? É isso mesmo! Que novas conexões neuronais não estariam já prontas para desabrochar e florescer esperando só um “empurrãozinho” do espírito civilizatório? Já pensaram se acolhêssemos e cultivássemos – lembrando que cultivo e cultura têm a mesma raiz etimológica – uma forma de nos educarmos onde o senso de justiça e humanidade fossem tópicos absolutamente prioritários?! Uma nova maneira religiosa de viver a vida – um todo religado –, mas sem deuses. Chega de deuses! Nesse sentido não teriam os budistas através dos seus processos de meditação pistas a nos oferecer? O que dizer do exercício de um cristianismo sem mediação, terreno, vivo, “a la Francisco”, o nosso cara, hoje!

(Fico pensando se num gesto improvável, impensável, dificilmente possível, um desembargador ou juiz, ou alguns deles dissessem: – “Não! Vamos redirecionar um desses auxílios mensais para uma instituição de ensino “!” O que diria a Standard & Poor’s se atitudes-investimento dessa natureza pipocassem?)

Em todo o caso, enquanto tudo isso não deixe de parecer ficção científica ou utopia, ou sei lá o quê, não nos resta pedir, como na canção: senhor juiz, por favor, pare agora!

PRINCIPAIS ASSUNTOS

FACEBOOK

FLICKR